Vamos admitir: somos escritores


Duas situações. A primeira é com a Luisa Geisler, que disse com toda sua propriedade de quem é escritora e escreveu o Luzes de Emergência:”digam que vocês são escritoras, assumam isso”.

Segunda situação. A Sofia no blog dela disse porque ela escreve, e aí várias pessoas da Polén resolveram pensar sobre isso.

O que, logicamente, me fez pensar também: Por que eu escrevo? Por que a gente precisa dizer que escreve?

A primeira resposta é egocêntrica: porque EU preciso. Porque eu preciso tirar todos os pensamentos que ficam o dia todo na minha cabeça, senão eu piro. Escrever é minha penseira.

Mas que medo de dizer que é isso que eu faço e o que eu quero fazer.

A melhor resposta é: porque é preciso. Porque a gente está nesse mundo e é uma das formas de dar sentido pra isso – e não enlouquecer numa existência sem significado.

As pessoas piram com os ~xovens~ de hoje que não desgrudam do celular e fazem fotos deles mesmos o tempo todo, mas isso significa que a gente nunca foi tão criativo. A gente nunca produziu tanto e a gente nunca produziu tanta arte. Minha geração é a geração que mais lê e mais escreve. Não importa se o que a gente lê e escreve são whatsapps, inbox, 140 caracteres ou #.

Não precisa mais ser homem, branco e ter grana pra ser escritor. Veja só a gente aqui. Não precisa mais ser um grande filósofo renomado pra ser escritor. Veja só a gente aqui.

Eu escrevo porque eu preciso, eu publico porque eu posso. Escrever na internet proporciona essa maravilhosa possibilidade de meter o bedelho onde eu bem entender. Posso até declarar que minha geração é a geração mais criativa e artística que a humanidade já viu.

Pode até ser ruim ou mal escrito – e claro que que os grandes meios midiáticos e editoriais ainda decidem muito sobre o que é bom ou não, mas isso é pauta pra outro texto – mas a gente precisa reivindicar esse espaço, até pra ter mais acesso ao meio institucionalizado. E a forma de fazer isso é ter coragem e dizer o que a gente tem medo: eu sou escritora.

Declaro a independência da República Democrática de Escritores da Internet.

 

Compartilhe:
  • Pingback: Linkagem de Segunda #39 – Sem Formol Não Alisa()

  • Cynthia

    Muito boa a análise. Realmente, a Internet é um espaço incrível para se expor as suas próprias ideias e conhecer as de outras pessoas tb de forma genuína. Comecei a escrever um blog recentemente e o que me motivou foi o pensamento “o que me impede de dividir tudo o que aprendi até agora? nada.”