Sozinho com outras pessoas – Editorial #24


Imagem: Tom Young @ tomyoung.tumblr.com

Estar sozinho e estar solitário não são a mesma coisa. Um é solitude e o outro é solidão.

Estar sozinho é aquele prazer ou desprazer – aí, depende mais de como você encara sua companhia por si só – de não ter que lidar com mais ninguém. Ainda existe um estigma em torno de sair sozinho: quem aí já não quis ir ao cinema ou a um restaurante sem mais ninguém e ficou mas o que vão achar? Deixa a gente te contar um segredo: depois que você aprende, é muito legal ir em um date consigo mesmo. Ou, pra tirar um pouco a cabeça de todas as tensões das relações sociais, que tal aproveitar seu horário de almoço com um livro ou um podcast, mas ninguém com quem conversar?

Estar sozinho é um silêncio confortável. Não precisa estar fazendo nada, mas também é legal parar para fazer o que você gosta sem se preocupar com as opiniões alheias: assistir o que você quer na TV, comer o que quiser no jantar, escolher a playlist no spotify. Crianças que sempre brincaram sozinhas sem nenhum problema. Se perder em um livro por horas e só depois notar que não interagiu com seres humanos de carne e osso em muito tempo.

Mas aí existe a solidão, que é uma sensação bem ruim (mas acho que você não precisa que a gente te diga isso?). A sensação de desconexão com o mundo, o sentimento de abandono. Quando você percebe que gostaria de dividir algo com alguém, mas não tem com quem fazer isso. A falta de relacionamentos intensos o suficiente, seja qual for o tipo de relacionamento que você busca. Notar que faz dias que você não tem uma conversa mais do que superficial. Ver pessoas conversando na rua e sentir inveja. Estar rodeado de pessoas e se sentir sozinho mesmo assim.

Esse mês, nós vamos falar justamente sobre como nem toda falta de companhia é solidão, mas que, quando é, é muito difícil. E também como aproveitar a própria companhia pode ser legal e nada solitário. Junte-se a nós: vamos curtir a solitude juntos.

Compartilhe: