Sobre ler acompanhada


Texto: Analu Bussular

A leitura, por si só, é considerada uma atividade solitária. Faz sentido. Entende-se por leitura, na maioria das vezes, pegar um livro, sentar e ler. Mas essa é somente uma das maneiras possíveis. Ler sozinho é muito interessante também, mas ler acompanhado é uma delícia e ainda pode render conversas muito proveitosas.

Já que nessa edição estamos falando sobre “Outros”, porque não puxar de cara o texto para esse viés e comentar que ter com quem debater a leitura nos dá a chance de um aprofundamento muito maior? A outra pessoa sempre vai ter tido uma percepção diferente de algum trecho, de algum rumo da história. No início desse ano eu e a Anna lemos O Pintassilgo juntas e a conversa rendeu mais de horas. Aqui na Pólen mesmo, vira e mexe aparece alguma “resenha conjunta”, no estilo de conversa mesmo, sobre algum livro, como foi com o da Jout Jout. Compartilhar opiniões é sempre tão engrandecedor, a experiência de leitura se torna ainda mais forte.

Para além do fator “debate e troca de percepções e conhecimento” dá pra focar também no fato de que é simplesmente gostoso. Na escola, no ensino fundamental I, a gente sempre lia os paradidáticos em conjunto, na sala de aula. Cada um lia em voz alta até um ponto final. Aulas e aulas eram dedicadas para essa atividade quando o livro era maiorzinho, os alunos levantavam a mão quando desconheciam alguma palavra. Um pouco mais velha, lembro de ler Harry Potter junto com a minha vizinha. O livro saía, a gente ganhava, e então era batata: descíamos ao parquinho do Prédio para sentar no balanço e ler. Ou senão ficávamos na sacada da minha casa mesmo com um balde de pipoca no meio. “Em que parte você tá?” “Cheguei no capítulo 10 e você?” “Tô no 13! Corre que vai acontecer um negócio muito incrível”.

Quantas memórias que eu tenho da época em que eu e minhas melhores amigas da escola estávamos afogadas na vibe Crepúsculo. Passávamos o intervalo na biblioteca, com as caras enfiadas nos livros e éramos capazes de falar a manhã toda sobre o assunto e sobre até onde tínhamos lido na noite anterior. Era divertido também na época que viciamos em Desventuras em Série, ou quando todas lemos Christiane F. Conversa-se sobre tanta coisa nessa vida, por que não conversar sobre livros?

Sei que para além do meu mundinho e das minhas leituras com migas existem grupos por aí que organizam esse tipo de coisa. Clubes do livro online, grupos do facebook que escolhem 1 livro por mês para todo mundo ler e conversar sobre. É uma maneira de conversar com uma gama muito maior de pessoas, com uma possibilidade maior ainda de que surjam opiniões bastante diferenciadas.

Ler com os Outros é a chance de quebrar completamente o paradigma de que ler é uma tarefa anti-social demais. Ler acompanhado é incrível, de qualquer forma. Ler do lado de alguém mesmo que a pessoa esteja lendo um livro técnico em quanto você lê a Bíblia já é estar no mesmo barco. As pessoas estão acostumadas a convidarem umas as outras para ver um filme, convidar para ler não precisa ser tão diferente. Já acostumei tanto com isso que sempre que compro um livro novo começo a averiguar com as amigas quem já leu ou quem tá afim de ler junto. Vai por mim: é uma delícia.

Compartilhe:

analubussular@hotmail.com'

Sobre Analu

Começou a ler aos 4 anos e nunca mais parou. Hoje tem 23 anos, é formada em jornalismo, continua devorando livros e passa o dia querendo escrever.

  • Marina

    Eu tinha uma amiga no colégio que não tinha grana pra comprar Harry Potter, e pegava os meus emprestados. Até que chegou a Ordem da Fênix e eu nós não aguentamos esperar pra comentar, e lemos juntas nos intervalos. Era muito fofo, cheio de “posso virar a página? -pera, tô no último parágrafo”. hahaha <3