“Sempre vivemos no castelo”, Shirley Jackson


Não sei bem o que eu estava esperando quando comecei a ler Sempre vivemos no castelo de Shriley Jackson. Talvez estivesse esperando monstros e sangue; um terror tradicional. Apesar de não ter me dado isso, Castelo me fez entrar na mente de Merricat Blackwood (ou Mary Katherine) e, ainda assim, me deixou apavorada.

Merricat mora com sua irmã Constance e seu tio Julian na casa da família Blackwood. Os três foram os sobreviventes de um terrível crime que matou outros quatro membros da família.  Constance fora acusada de ter assassinado seus familiares e desde então, os Blackwood que restaram vivem sozinhos e escondidos de todos, já que não podem sair de casa pois são alvos de piadas e comentário maldosos.  Tudo muda quando um outro membro da família – um parente distante – aparece para ajudar os três que sobraram. Merricat se vê ameaçada e toma decisões drásticas.

Merricat é aquela personagem que não é fácil de esquecer ou deixar de lado. Uma jovem adulta presa numa mente infantil, Merricat inventa o seu próprio mundo, onde tudo é perfeito e solucionado rapidamente. É a única da família que consegue sair de casa para ir à vila (seu tio, Julian, é cadeirante e sua irmã, Constance, tem medo de colocar os pés para fora de casa e por isso passa os seus dias cozinhando para a família), sendo assim o elo entre os Blackwood e o resto da cidade.

Merricat foi tão bem escrita que estamos sempre torcendo para que a garota consiga realizar os seus planos, mesmo quando todos os fatos são jogados na nossa cara e sabemos que as coisas não são exatamente do jeito que ela diz. Entrar na mente de Merricat é assustador, mas ao mesmo tempo é uma aventura incrível. Ela, que parece tão doce com sua família e com o seu gato, não tem o mesmo comportamento com qualquer outra pessoa de fora. Quem incomodar a sua irmã ou o seu tio merece morrer.

O final de Merricat e Constance é triste e solitário. As duas são temidas, mas elas acreditam que dessa forma encontraram a felicidade. Algo que até então, parecia ser difícil alcançar.

Não pode subir essa escadinha, se você subir as moças te pegam.

Castelo tem uma leitura rápida e envolvente, mesmo sem grandes acontecimentos. O que prende o leitor é justamente a narrativa de Mary Katherine e a sua luta para manter a sua família unida sem a interferência de pessoas de fora. Então, deixe-se levar pela escrita de Shirley Jackson e conheça essa história. Você não vai se arrepender.

 

Compartilhe:

Sobre Rovena

Rovena é de Vitória, formada em Relações Internacionais e atualmente cursa Letras-Inglês. Gosta muito de ler e ouvir música enquanto escreve. Grifinória, feminista e especialista em tretas do blink-182. Está no twitter (@rovsn).