‘Queria Ter Ficado Mais’, Diversas autoras


Pessoalmente, eu acho a Memória uma coisa engraçada: ela possui uma promessa de perpetuar um sentimento, uma sensação, mas, ainda assim, é tão efêmera e não-palpável. Às vezes imagino que as minhas memórias vivem todas juntinhas, como carpas num laguinho, confusas e perdidas entre tantas outras que um dia tive ou inventei ter. Gostaria de poder pescar uma delas, segurá-la em minhas mãos e poder reviver um pouquinho daquele momento que passou. Ao ler literatura, muitas vezes temos a sensação de que possuímos em nossas mãos, finalmente, o pleno acesso à memória de alguém. Foi assim que senti quando li Queria Ter Ficado Mais, livro composto por contos de 12 autoras diferentes, lançado este ano pela editora Lote 42.

A proposta inicial da compilação é mais ou menos essa: reunir relatos e experiências de mulheres viajando ao redor do mundo. A cada conto, colocamos os pés em alguma cidade do exterior, desde proximidades como Buenos Aires, na Argentina, até ares longínquos, como Yangshao, na China. Visitamos igrejas em Barcelona, experimentamos comidas em Nova York, caminhamos pelas ruazinhas de Paris. Diferente de outros livros de viagem, porém, Queria Ter Ficado Mais não está preocupado em servir de guia para futuros viajantes. Ao lermos cada conto, escrito por uma pessoa diferente, rumo a lugares estranhos, com propósitos diferentes, nós experienciamos um pouquinho da sensação que aquela pessoa sentiu ao vivenciar essas aventuras. O que temos em nossas mãos são historinhas, memórias, que ficaram esquecidas em alguma esquina ou ruela, lá longe, em um país de língua estrangeira e com uma cultura diferente da nossa.

O livro possui um formato encantador; para aqueles que gostam de comprar livros pela capa ou pela sua forma ousada, Queria ter ficado mais é um deleite imaginável. Cada conto de cada autora é escrito em papeis avulsos e guardado dentro de um envelope de carta. Abrir um envelope e encontrar dentro dele memórias de outras pessoas é uma experiência inusitada para mim. Filha do século XXI, posso contar nos dedos as vezes em que tive que abrir uma carta que fosse estritamente para mim. E, apesar do fato de que cada carta não é exclusivamente direcionada a cada um de nós, o prazer de abrir cada envelope e encontrar uma história por trás é um sentimento único e que não poderia ser passado adiante se o livro possuísse um formato convencional. Para complementar o encantamento, na face frontal de cada um dos 12 envelopes, encontramos aquarelas estampadas, feitas pela ilustradora argentina Eva Uviedo, retratando a cidade da vez.

Quem o vê pela primeira vez talvez pense que é um livro que trata de viagens e do ato de viajar. Porém, ao acabar de ler cada um dos contos, acredito poder afirmar que, antes de ser um livro sobre viagens, Queria Ter Ficado Mais é, essencialmente, um livro sobre memórias. Cada escrito é um acontecimento que cada escritora fisgou em sua própria coleção de memórias e trouxe para o papel. Ao transcrever seus sentimentos e emoções, as 12 escritoras conseguiram compartilhar suas histórias e eternizar algo que se jurava eternizado dentro de cada uma através das suas próprias memórias.

Gostaria de poder contar mais sobre a surpresa que é ler esse livro. Mas sinto que se eu abrir demais a minha boca, toda a magia que ele possui pode se esvair tão rapidamente. Posso afirmar, entretanto, que não é todo dia que nós podemos ler algo tão caprichado, com um formado tão bonito, contando histórias que dão aquela sensação de que o tempo passou voando e que deixam gostinho de quero-mais. Espero um dia poder ler mais relatos, mais memórias, de outras mulheres que um dia foram dar um passeio, se aventurar, ou a trabalho, por terras estranhas.

Compartilhe:

dorableroy@gmail.com'

Sobre Dora

Dora mora em São Paulo e vive na internet. Começou a fazer Letras por gostar muito de livros e, hoje em dia, dá umas cambalhotas tentando escrever mais (e espera que algum dia consiga dar alguns saltos mortais).

  • Milena

    Encomendando agora mesmo por motivos de: olha que edição linda. E pela resenha fofíssima, claro. hahaha