Qualquer coisa é possível se você tiver coragem suficiente: um culto à minha Weasley preferida


Quem me conhece e já me viu falando sobre Harry Potter deve ter percebido que eu tenho algumas opiniões fortes sobre o assunto. Um dos tópicos que mais faço questão de discutir é sobre a Ginny (e sobre o relacionamento dela com o Harry, mas esse não é o foco aqui). Eu sou apaixonada por ela e quando digo que é minha personagem preferida acontece de algumas pessoas não entenderem o motivo. Se existe uma personagem injustiçada pelo fandom, ela é Ginny Weasley, acreditem. A representação dela nos filmes não foi das mais legais e acho que nunca vou conseguir perdoar o Kloves por isso, mas mesmo assim não acho que isso explique o ódio que algumas pessoas guardam dela.

Quando eu converso sobre a série com pessoas não tão fanáticas, muitas me contam que acham Ginny sem graça. No mundo do fandom, a coisa já é mais pesada. É comum ler vindo daqueles que não gostam da personagem que  ela é ”uma Mary Sue’’, ‘’ela é só uma fangirl que casou com o ídolo’’, ‘’ela ganhou personalidade do nada’’,‘’ela é uma vagabunda e não merecia o Harry’’ e por aí vai. Geralmente, opiniões carregadas de discurso machista. Alguns anos atrás, quando a primeira parte do sétimo filme saiu e eu não ainda era familiarizada com o feminismo, li este texto e ele explicou bem um pouco do porquê de eu gostar tanto da personagem e me incomodar com a visão de muitos fãs a respeito dela. Para mim, J.K. Rowling criou uma das mulheres mais fascinantes da ficção.

Ginny é a mais nova e única mulher entre seus seis irmãos. Ela não podia jogar quadribol com eles, então pegava suas vassouras escondido e treinava sozinha. Nessa, acabou se tornando uma ótima atleta. Em seu primeiro ano em Hogwarts, ela passou uma experiência traumática e foi possuída por um bruxo das trevas poderosíssimo. Com apenas 11 anos de idade, foi abusada psicologicamente, emocionalmente, mentalmente e fisicamente e mesmo com medo, lutou e conseguiu superar isso. Ela é muito forte, corajosa e independente. É também inteligente, engraçada, confiante, leal e uma ótima amiga. Vale lembrar que Ginny acolheu Luna e Neville quando Harry ainda tinha vergonha de ser visto com eles. Ela, pelo contrário, sempre os defendeu quando eles eram ridicularizados. Inclusive no quarto livro ela tem a chance de ir no Baile de Inverno com Harry e não faz isso porque já tinha combinado de ir com o Neville e não queria magoá-lo.

Aliás, uma das coisas que mais admiro nela é que ela protege e defende as pessoas que ama e luta até o fim pelo o que ela acredita. Quando Fred pergunta se ela não está trocando de namorado rápido demais, ela diz que não é da conta dele. Quando Ron chama a atenção da irmã por estar beijando em público, sugerindo que as pessoas falariam dela, Ginny é assertiva ao dizer que ela faz o que ela quiser com quem ela quiser e que ele também não tem nada a ver com isso. Penso então que talvez a rejeição que ela sofra venha de um problema que as pessoas possuem com personagens femininas confiantes e bem resolvidas. Eu realmente não sei, mas imploro por mais Ginny Weasleys na ficção, por favor.

por Thais Brunoro

Esse texto é uma colaboração. Mande a sua!

Compartilhe: