Primeiro de Setembro


Três quartos do ano, praticamente, já se foram e eu só consigo pensar no meu total fracasso.
Aquele que fez com que eu não conseguisse atingir todas as metas e objetivos lançados
Joguei a culpa nele, mesmo sabendo que ele só existe por minha causa.
Eu pretendia, de verdade, fazer com que as coisas dessem certo nesse ano
E juro que até tentei.
Mas parece que o Universo tem um poder sobrenatural de conseguir fazer com que
Tudo
Errado
Sei que soa como uma desculpa esfarrapada pra justificar meus erros e minha recente vagabundagem
Mas eu juro, de novo, que não é
Talvez, e somente talvez, seja culpa das longas expectativas criadas por mim
Aquelas que me fizeram crer que tudo daria certo e que nessa fase do ano eu já estaria em paz
E dizendo “em paz” eu quero dizer “estabelecida, feliz, independente
Utópico, né?
Mas não é que não parecia?
Pra mim, nessa etapa da minha vida eu já teria alcançado o que eu busco há tempos
Só que a faculdade entrou em greve
Eu fui meio trouxa e por impulso acabei brigando com meus pais
E, por consequência, a confiança deles em mim declinou
Hoje eu uso um tal de aplicativo “para minha segurança” que diz os lugares em que estou
A realidade mesmo é que aquilo é uma bosta de um rastreador
E não é que isso seja justificável e que eu não entenda
Afinal de contas, são meus pais
Mas é só que
Isso me dá a terrível sensação de que eu uso uma tornozeleira eletrônica e vivo em prisão domiciliar
Eu regredi nesses últimos nove meses e quanto mais o tempo passa,
Mais eu me dou conta de que sim, vai demorar
Vai demorar para eu alcançar o que eu tanto quero.
Assim como eu vou ter de trabalhar duro para conseguir
O
que
eu 
tanto
quero
E, também, o mais importante de tudo:
Eu percebi que nem tudo é como a gente quer
Que, às vezes, as coisas simplesmente não acontecem
E que “nada é impossível de mudar”, como dizia Bertolt Brecht.
Compartilhe:

Sobre Yasmim Medeiros

Yasmim tem 19 anos, mora no Rio de Janeiro-RJ, é estudante de Letras- português/literaturas (na UFRJ) e o tanto que ela tem de desorganizada, tem de paixão pelos Beatles. Quando não está atolada de textos para ler e escrever, a carioca está consumindo o conteúdo infindo da Netflix e fingindo que sabe fazer algum som audível no violão.

  • Incrível! Adorei!

  • Ana Carla Brasil

    “Eu percebi que nem tudo é como a gente quer
    Que, às vezes, as coisas simplesmente não acontecem
    E que “nada é impossível de mudar”””

    Eu mesma. Mas cê vai chegar lá e eu quero ver. Orgulhinho dessa amiga multitalentosa <3

  • Fabiana Bento

    Muito bom! Resumiu minha vida nesse momento 😉

  • David Oliveira

    O primeiro de muitos! Muito lindo, de verdade!