“PC Siqueira está morto”, Alexandre Matias


Texto: Mareska Cruz

 

Eu não consigo acompanhar com regularidade quase nada no youtube. Minha falta de concentração pra videos chega a beirar o ridículo. Fora raras exceções que acontecem a cada passagem de cometa, acabo levando, sei lá, 7 minutos pra conseguir ver inteiro um vídeo de 3 porque me distraio, não escuto direito, não tenho paciência. Aí fico toda hora voltando/avançando o negócio, a experiência acaba arruinada e a culpa é exclusivamente minha (esse problema anda acontecendo também com filmes e seriados, socorro). Mesmo assim, assino alguns canais e assisto aos videos quando a concentração resolve deixar de ser escrota.

O do PC Siqueira é um deles.

Lembro que acompanhava o canal lá pela época quando ele começou (e quando eu ainda não tinha a capacidade de concentração de um peixinho dourado), fiquei anos sem assistir nada e uns meses atrás voltei a acompanhar. Não fiquei surpresa quando saiu o vídeo contando que ele lançaria um livro e apresentando o Alexandre Matias, a pessoa que escreveria. O vídeo também falava que esse livro não seria nos moldes “biografia de youtuber”, que parece ser a mais comum entre os lançados, mas a proposta seria trazer alguma coisa diferente. Como gosto do trabalho do PC Siqueira, fiquei de olho esperando o lançamento e surgiu a oportunidade de ler pra fazer resenha aqui pela Pólen.

Imagine se muitos e muitos (muitos mesmo) anos depois que você morrer, alguém recupere pequenos trechos da sua vida através de registros aleatórios e muitas vezes incompletos, sem contexto ou sem comprovação de veracidade: gravações, emails, posts, depoimentos de outras pessoas. O livro do PC Siqueira escrito pelo Alexandre Matias gira em torno disso e da ideia de que essa morte não precisa necessariamente ser física: se o PC Siqueira decidir mudar e não ser mais o que conhecemos pela internet, “matar” o PC “mas poxa vida” Siqueira, o que sobra? Como fica esse negócio de criador e criatura, se existe mesmo uma divisão entre essas duas coisas?

O livro todo é ficção, ainda que em vários momentos alguns acontecimentos reais tenham sido usados de mote para o capítulo. Eles vão desde roteiros de filmes, conversas gravadas, histórias em quadrinhos até músicas e trechos de livros. Quase todos eles brincam com boatos e comportamentos atribuídos ao PC Siqueira, como a suposta associação com partidos políticos e o satanismo. Foi uma ideia ótima ele e o Alexandre Matias terem brincando com isso, principalmente dentro da proposta: sem ter como comprovar ou negar, como ficam os boatos a seu respeito, que proporção eles podem tomar?

Acho que o livro foi bem sucedido dentro da ideia que propôs, não só de trazer algo diferente da “biografia do youtuber + história do canal” (também não teria nada errado se a ideia fosse essa), mas do que ele se propôs desenvolver. Alguns capítulos são ótimos, alguns são chatos, mas isso acontece com qualquer livro mesmo. O único problema que encontrei, e não sei dizer até que ponto isso é realmente um problema ou só uma consideração a respeito, é que não sei muito como o livro possa conquistar um público que vá além daquele do PC Siqueira e do canal do youtube, ou do público de youtubers no geral. Acho difícil que alguém que não entenda nada desse mundo ou não seja muito fã dele acabe pegando esse livro por curiosidade numa livraria e resolva levar. De qualquer maneira, isso não é uma obrigação ou necessidade do livro.

Compartilhe: