Não julgue um livro pela capa (mas se ela for bonita fica mais fácil abrir a carteira)


Texto: Mareska Cruz // Arte: Jéssica Ferrara

 

Eu compro livros pela capa. Desculpa.

Na verdade não é pela capa. Se ele tiver a capa mais bonita do mundo e uma sinopse desinteressante, eu não vou levar. Mas vou lamentar muito. “Poxa, que pena, uma capa tão bonita…”. Se ele tiver a capa mais feia do mundo mas a sinopse for sensacional ou de um dos meus autores favoritos, eu vou levar. Mas vou lamentar muito. “Poxa, merecia uma capa mais bonita…”. Isso porque não vou entrar no mérito das lombadas. Pelo menos não nesse post.

Não sei qual é a relação que vocês têm com a capa dos livros, mas no meu caso ela acaba sendo um dos fatores decisivos na hora da compra. Livro por aqui não é exatamente barato, então se eu vou pagar caro em uma edição, o mínimo que eu espero é uma capa que me faça querer casar com ela. Por outro lado, tem por aí vários exemplos de livros que não tem preços absurdos (ou que sempre estão em promoções ótimas) e mesmo assim conseguem lançar capas incríveis. E por incríveis não quero dizer necessariamente com detalhes como hot stamping, relevos e texturinhas. Uma das minhas capas preferidas é a de A cabeça do santo, da Socorro Acioli: é simples, direta e completamente a ver com a história. Uma capa simples e bem feita chama mais atenção do que uma cheia de parafernálias. Cansei de ver por aí livros de capa dura que parecem toalhinha de mesa de café da tarde de casa de vó. Ou capas que parecem uma coisa que eu faria no photoshop, e isso não é um elogio.

Não dá pra negar que a parte estética do livro chama a atenção. Numa livraria, a primeira coisa que você nota quando olha as mesas é a capa. Se é um autor ou título desconhecido, a capa é o que te faz pegar aquele livro e então ler a sinopse. Ok, um título bom chama a atenção, mas se ele estiver mal posicionado na capa, você nem vai perceber que ali pode estar o melhor livro da sua vida. E isso não é exatamente uma falha nossa. Essa coisa de se importar com a estética dos livros, quero dizer. Livro é um produto, e todo produto precisa ter algum apelo estético –  principalmente aqueles que vão acabar em estantes da sala, como parte da decoração ou como fotos postadas nas redes sociais. Ninguém precisa se sentir a pior pessoa do mundo por isso. Até porque se você gosta muito de ler mas não quer gastar dinheiros num livro legal mas de capa feia, sempre dá pra procurar o ebook. Ou respirar fundo, levar assim mesmo e depois lamentar o quanto aquele livro merecia uma capa melhor (ou chegar à conclusão de que merece a capa feia mesmo, vai depender do quanto você vai gostar daquela história).

Aí eu pareço aqui a pessoa mais sensata do mundo e de repente lembro que o conceito de capa feia e capa bonita é extremamente pessoal. Uma estética que me agrada aos olhos pode ser considerada um desperdício de tinta pra outra pessoa. O autor do livro provavelmente gosta da capa. A editora também, ou dificilmente ia deixar que ele fosse publicado. Há de se levar em consideração o hype de capas. Cinquenta tons de cinza lançou a moda de colocar objetos meio aleatórios em livros eróticos (trocentos copiaram até mesmo o tipo de fonte do título). Também tem que pensar no público.

Nesse esquema todo, já me ferrei bastante. Já comprei livros porque a capa era difícil de resistir e no final das contas a história era tão ruim que deu vontade de jogar o miolo fora e ficar só com a capa mesmo. Já comprei livros porque a capa era maravilhosa e o conteúdo era tão maravilhoso quanto e meu deus parabéns a todos os envolvidos. Também já trouxe pra casa livros com capas feias que tinham histórias ótimas e valeram a pena. Não me sinto a pessoa mais apta a dar um veredito nessa questão, ou pelo menos nada que vá muito além de que vale a pena arriscar pelos dois lados. Ou usar a lombada como critério de desempate, mas isso fica pra outro post.

Compartilhe:
  • Samara Maia Mattos

    Ótimo post, Mareska! <3 Quanto às capas de livros eróticos com objetos aleatórios/genéricos… eu tendo a preferir sabe? A outra opção são capas com casais genéricos em poses e situações constrangedoras ou que pode te causar constrangimento se você resolver ler um livro desses na rua (assim, eu não tive coragem de ler 50Tons no transporte público, mas porque ele já estava completamente hypado no estilo "OLHA, ela lê livro de sacanagem!" u.u'). Se bem que o título de alguns desses livros já são constrangimento por si só…
    De qualquer forma, concordo com você que achar essa ou aquela capa bonita tem muito mais a ver com o gosto pessoal de cada um. Acredito que existem capas que todos gostam porque realmente NÃO TEM como não gostar. Mas as outras, vai do conceito estético individual, né?
    :3s