Mapas


Texto: Lara Matos // Arte: Raquel Thomé

São muitos milhares menos

Você cada vez que olho

a rua.

 

O calor da tarde

Explode fagulhas de

Azul pálido: então

Eu ardo àquela hora

Em que um lapso com nomes

Me põe em queda livre.

 

Cada vez mais

banhos quentes sendo

teus abraços que não tive.

 

Roupas sujas do teu cheiro

ancoram nos cabides

como efemérides;

e só há sua doce

aragem no quarto

vazio.

 

É noite, céu negro

De piche – lua nova e as

Estrelas todas sumidas

Nos teus olhos de azeviche;

Sua ausência é escura

E opressiva.

 

Às cegas em corda-bamba

Traçando um meridiano

Sobre escolhas más

simultâneas:

Dos acúmulos sem ganhos,

Há a perda de nós mesmos.

Compartilhe:

carmenbavius@gmail.com'

Sobre Lara Matos

25 anos. Teresinense. Sagitariana com ascendente em aquário. Poesia é minha principal linguagem, e as palavras, o que mais amo. Mitologia e fantasia em geral. No plano de "realidade": estudo feminismo, criminologia e direitos humanos.