Lenda, linda


Minha lenda favorita é, provavelmente, a história de Eros e Psique. Não é exatamente uma lenda, puxa mais para mito, mas, de qualquer forma, acho válido. O tio Eros também é conhecido em alguns lugares como Cupido e é filho da deusa Afrodite. Um dia, aparece uma menina muito linda e a Afrodite se sente ameaçada por toda a beleza dela (Alguém pode me explicar o que é que se passa entre Deusas Gregas e inseguranças da vida mortal?) e pede para que Eros jogue uma de suas flechas nela para que Psique se apaixone por um cara bem feio ou, sei lá, uma árvore (tem uma outra lenda que é mais ou menos nesse estilo…).

Mas, quando Eros vai executar a tarefa de sua mamãezinha, ele fica tão encantado com a boniteza da menina que ele mesmo se fura com a flecha e se apaixona perdidamente pela Psique.

Como ele tem umas asinhas e é meio esquisitinho (Eu vejo ele como um cara bem gato, crescido e com asas e não como aqueles bebês gorduchinhos de algumas pinturas), ele casa com a Psique, leva ela pro palácio dele e só a visita de noite, sem permitir que ela o veja em full nude (hehe).
Um dia, as irmãs invejosas da Psique vão visitar ela no palácio e ficam bem boladas com o fato da irmã não saber como é o rostinho de seu precioso marido, mesmo depois de tanto tempo de casada. Levada por esse comentário, uma noite, enquanto Eros dorme, Psique pega uma lamparina de óleo para olhar por ele e, como ele é, tipo, muito, muito, muito gato, ela fica bem surpreendida por toda a beleza e derruba óleo no boy magya e O ACORDA.

Eros fica bem puto, manda a Psique embora e a Afrodite decide punir a menina por ter quebrado o coração de seu filhinho. Mas, vendo como o filho e a nora sofrem muito, ela decide, então, passar três tarefas impossíveis para a Psique resolver e só depois que tudo estiver resolvido, ela vai interceder e ajudar a nora a reconquistar seu filho.

A Psique sai para resolver as tretas todas e recebe ajuda de animais falantes, seres inanimados (tipo, rios e tal) e consegue a ajuda da Afrodite. Eros aceita ela de volta e eles vivem felizes para sempre.

Existem grandes chances de minha pessoa ter confundido essa lenda e algumas coisas dessa história com outras fábulas e, talvez até outras lendas e um ou outro conto de fada. O que eu recontei aqui é a minha versão (é bem difícil imaginar Heródoto dizendo ´´boy magia´´, né não?), o que eu lembro e o que ficou guardado no meu coração, dessa historinha que é até bem bonitinha (eu lembro que associada, por algum motivo, Eros com Razão e Psique com emoção, mas talvez eu tenha lido isso em algum lugar).

Talvez essa seja a graça das lendas/mitos. Antes elas serviam para ensinar, passar conhecimentos e ensinamentos de um determinado povo de geração em geração (aposto dinheiros que eles estavam tentando ensinar algo relacionado a curiosidade com esse aqui). Talvez, as lendas que chegaram até nós, nem sejam as histórias originais, circulando pelo tempo numa espécie de telefone sem fio muito louco. Quem sabe Eros deu um bita pé na bunda da Psique e continuaram os dois separados pelo resto da eternidade. Mas quem se importa? O legal mesmo é ler, ver o bafão, torcer pelos personagens (embora eu ache a Psique um bocado boba) e segui para outras histórias, aprendendo com os erros alheios (1- não case sem saber como é o rostinho e o corpinho de seu marido e 2- nunca espione ninguém com uma lamparina de óleo quente).

Compartilhe:
  • Amanda Ariela

    Faz sentido, até combina com o fato de ser a Psique a que raciocinou que era bizarro ela não ver o rosto do marido, não é? hahaha

    Também ficaria embasbacada olhando eles, Laís! hahaha

  • É o contrário, Eros é a emoção e Psiquê a razão! (pensa em psi(que)cológico).
    Eu também adoro o mito. No Louvre eu fiquei uns bons 10 minutos encarando a estátua deles.