‘Deep Blue’ e ‘Rogue Wave’, Jennifer Donnelly


Você sabia que a Disney tem outras sereias além da Ariel?

A Waterfire Saga – até agora com dois livros, Deep Blue e Rogue Wave – conta a história de um grupo de sereias com uma missão muito importante: salvar o oceano, e talvez o resto do mundo.

O livro começa focando em Serafina, a princesa de Miromara, e no sonho dela: um antigo mal vai ressurgir e ela pode impedir. A princípio ela duvida que isso realmente posse acontecer, até que algo muito triste acontece e confirma o seu medo. Sera sai para se esconder e no caminho encontra outra sereias, e juntas elas formam uma aliança única e poderosa. Juntas, ela tem um único objetivo: matar o Abbadon.

A história de como a saga surgiu é bastante interessante. A Disney fez uma bíblia das sereias, com 200 páginas. Ali, eles colocaram todas as informações necessárias para o desenvolvimento do livro: culturas que seriam abordadas, plots, imagens de como deveria ser o fundo do mar, seus habitantes e o perfil de cada personagem. Depois de tudo pronto, a empresa entrou em contato com a autora Jennifer Donnelly (já falei dela aqui, lembra?) e perguntou se ela queria escrever essa história maravilhosa. Amando muito a Ariel, que é a princesa favorita de sua filha, JDo aceitou na hora e BOOM!!!, algo lindo nasceu.

A Waterfire Saga tem muitos pontos positivos e todos eles são importantes. As seis personagens principais, que devem salvar o mundo, são meninas. A pessoa mais importante do reino é a Rainha, mãe da Sera. A amizade entre as meninas é o ponto alto da história, mostrando que quando as meninas se juntam elas conseguem criar coisas incríveis.

Foto 26-09-15 22 51 30O livro é bem diversificado – e não só nos lugares que passamos, mas também pelas sereias: Serafina é uma princesa italiana; Neela, é uma princesa indiana que usa um Saari; Ling é uma chinesa incrível, que consegue se comunicar, inclusive, com os animais; Astrid é do ártico e a sua cauda lembra a de uma orca (<3); Becca é americana; e temos Ava, a sereia brasileira (!!!), que por ser cega, usa uma piranha-guia chamada Baby. Ava usa palavras tipo “amigas” e “gatinhas”, e eu achei isso o máximo!

O livro aborda a mitologia de Atlântida como a origem das sereias e é muito interessante ver como, a partir desse ponto, elas se organizaram na criação de acordos e viveram em paz – até que esse algo terrível aconteceu. Essa utilização de Atlântida é legal, já que muitas vezes nas histórias vemos essa cidade sendo habitada por sereias.

Vi algumas pessoas criticando a livro por ser “infantil demais”, e por causa disso não ter palavrões ou coisas desse tipo. Sinceramente, isso foi uma coisa que não me incomodou nem um pouco. Às vezes eu quero uma leitura que seja leve, rápida, divertida e fantástica, e em Deep Blue e Rogue Wave eu encontrei tudo isso. Acho que a autora cumpriu o que a história prometia e me deixou ainda mais ansiosa para o terceiro volume da saga (Dark Tide, que sai ainda esse ano, YAY!).

E para melhorar ainda mais, a saga tem uma música! “Open you eyes”, da Bea Miller. Dica: escute antes de ler e assim que os Songspells começarem a aparecer, cante-os no ritmo da música!

A minha única pergunta até o momento é: por que a Disney não investe mais nessas sereias lindas?

Compartilhe:

Sobre Rovena

Rovena é de Vitória, formada em Relações Internacionais e atualmente cursa Letras-Inglês. Gosta muito de ler e ouvir música enquanto escreve. Grifinória, feminista e especialista em tretas do blink-182. Está no twitter (@rovsn).

  • Karen

    Sempre me perguntou a mesma coisa. Kd Disney q não quer ganhar dinheiro??