Como ter energia para tudo que quero fazer?


Texto: Sofia Soter

Meu nome é Sofia e eu faço coisas demais.

(“Oi, Sofia!”, vocês respondem.)

No ano passado, pedi demissão e passei a trabalhar como autônoma: faço revisão, copidesque, tradução e outros trabalhos com texto. Comecei, também, investir mais nessa carreira de escritora: escrevo para uns sites de graça, para outros por dinheiro, vez ou outra para revistas impressas, em português e em inglês – e estou escrevendo um romance. Além disso, passei quase três anos como uma das editoras da Capitolina, uma revista online bastante grande. E, agora que não tenho mais esse cargo, já estou com um monte de outros projetos engatilhados: continuar minha newsletter, retomar os posts no meu site, prosseguir com meu podcast e começar outras coisas novas que ainda não estão públicas.

Repetindo: meu nome é Sofia e eu faço coisas demais.

Às vezes pessoas me perguntam como eu consigo fazer tudo isso e eu tenho algumas respostas padrão: “Eu não durmo” (meio verdade, meio piada); “Com muita organização!” (meio verdade, meio tentativa de inspiração); “Eu não faço a menor ideia” (meio verdade, preguiçosa); “Eu… só consigo?” (a mais sincera, por mais inútil que seja). A parte da organização é a que mais ajuda as pessoas na prática – e eu já escrevi um monte sobre o assunto, vocês podem ler aqui e aqui –, mas neste texto eu vou focar em outro aspecto: a energia. Porque, olha, fazer coisas demais cansa. Sério, cansa mesmo. Então vamos lá, algumas lições sobre ter energia para fazer um milhão de coisas:

 

LIÇÃO #1: VOCÊ NÃO PRECISA FAZER UM MILHÃO DE COISAS

Olha só, se você está aqui lendo o que escrevi, é provavelmente porque quer fazer um milhão de coisas (ou porque, como eu, gosta de ler textos mesmo que eles sejam inteiramente inúteis para você). Mas talvez, talvez, você sinta que precisa fazer um milhão de coisas e simplesmente não consegue; talvez fazer um milhão de coisas não seja o melhor caminho para você, e isso não é de forma alguma uma falha ou um defeito; talvez você seja mais o tipo de pessoa que foca em uma ou duas coisas e não essa bagunça mental/profissional/organizacional que eu sou. E, olha, tudo bem. Sério. Mesmo. Ninguém precisa fazer um milhão de coisas, mesmo que essa vida em que todo mundo na internet é escritor-influencer-youtuber-modelo-DJ faça a gente achar que precisa fazer todas as coisas ao mesmo tempo e ser bom em tudo que aparece na frente e publicar três livros e lançar um disco e ganhar dinheiro e sair para a balada e ter quatro diplomas e assim por diante para todo sempre. Vai por mim: não precisa.

 

LIÇÃO #2: VOCÊ NÃO É UM ROBÔ

Tá, tá, você ainda quer fazer um milhão de coisas, mesmo sabendo que não precisa – você tem mil ideias e sente que vai explodir se não colocá-las em prática, ou você leu o parágrafo anterior rindo com desprezo da minha cara. Mas, mesmo assim, você é uma pessoa. Você precisa dormir, comer, cuidar da sua saúde, descansar, fazer coisas legais (e, provavelmente, também ganhar dinheiro). Você não é um robô-fazedor-de-um-milhão-de-coisas, o que significa que você não tem como só fazer todas as coisas o tempo inteiro sem parar para respirar, o que também significa que você não tem como ser uma pessoa perfeita, o que também significa que alguns dias serão melhores que outros e algumas coisas serão melhores que outras.

 

LIÇÃO #3: NINGUÉM É UM ROBÔ

Se você se compara muito aos outros e leu o parágrafo anterior e entrou em um pequeno desespero (“eu sei que não sou um robô, mas eu preciso fazer todas as coisas bem e eu não sei lidar se eu errar e vai dar tudo errado e *espiral de ansiedade*”), deixa eu reiterar um ponto importante: eu estou escrevendo esse texto para qualquer pessoa que o leia, não só para você especificamente, então o “você” do parágrafo anterior se aplica para todo mundo, portanto ninguém é um robô (que eu saiba! se você for um robô lendo este texto por favor comente, estou muito curiosa para conhecer robôs que leem meus textos). Volta para o parágrafo anterior e lê ele todo substituindo “você” por “ninguém”, vai.

 

LIÇÃO #4: ORGANIZAÇÃO É IMPORTANTE

Ok, agora que você baixou um pouco a bola e não está mais tão no desespero do fazer-um-milhão-de-coisas, volto para uma das minhas respostas comuns às pessoas que pedem conselhos: muita organização! Não dá para fazer um milhão de coisas se você não se organiza para fazer um milhão de coisas – e isso significa que é preciso priorizar algumas coisas, manter sempre em mente todas elas, planejar o que precisa ser planejado, organizar seu tempo de forma funcional… No entanto, isso não significa que você precisa seguir o modelo preciso de bullet journal que o Buzzfeed te indicou ou usar o aplicativo de organização perfeito que todas as suas amigas usam ou seguir a rotina do seu escritor favorito. Se você não tiver ideia de como se oganizar, eu já publiquei um texto sobre organizar o tempo de acordo com seu ritmo e outro com as ferramentas que eu uso para organização/trabalho, mas lembre que não são métodos perfeitos, só as estratégias que funcionam melhor para mim.

 

LIÇÃO #5: MOTIVAÇÃO TAMBÉM É IMPORTANTE

Dentre as mil coisas que eu faço, tem as que eu faço porque preciso do dinheiro, as que eu faço porque eu gosto e as que ficam mais ou menos no meio do caminho. É mais fácil fazer as que pagam, porque a motivação para fazê-las é simples e óbvia: quando eu entregar, vou receber dinheiro. No entanto, se você tem vontade de fazer outras coisas além do seu trabalho regular – ou investir em coisas que podem um dia virar trabalho regular –, é preciso encontrar motivação para fazê-las, porque sem motivação não dá para priorizá-las o suficiente. E é fácil encontrar motivação no começo, quando temos a ideia e queremos muito colocá-las em prática, mas manter a motivação é mais difícil. Para isso, é preciso saber o que naquele projeto te motiva, sinceramente: você acredita muito na ideia/premissa? Você está fazendo com uma equipe que adora? Você gosta da visibilidade que ele gera? Você só se diverte muito mesmo? Nem tudo que a gente faz é legal o tempo inteiro e, se o objetivo é fazer várias coisas de forma mais regular, é preciso manter sempre em mente o que motiva nos momentos em que a vontade está fraca. Da mesma forma, é importante reconhecer que às vezes a motivação não existe mais, que aquilo é só chato e ruim e não está andando para frente, e que pode ser hora de mudar as coisas – ou parar, ou mudar o projeto, ou solucionar problemas.

 

LIÇÃO #6: VOCÊ É SUA PRIORIDADE

Lembram que eu falei que fazer mil coisas cansa? Por isso é preciso descansar. E descansar não significa só dormir (apesar de dormir ser importante!), mas descansar também sua cabeça. Quando a gente faz muitas coisas o tempo todo, é fácil esgotar a energia – não conseguir pensar, achar tudo muito estressante, se confundir com tudo. Para evitar essa situação, é importante priorizar também se cuidar: fazer coisas que você gosta, mesmo que não sejam “produtivas”; ouvir músicas que te animam; cuidar do seu corpo e da sua saúde; sair e encontrar gente e bater papo. Eu já dei umas dicas de self-care aqui, aqui e aqui.

 

LIÇÃO #7: JUNTE ENERGIA

Tem algumas coisas que dão uma certa “falsa” energia: por exemplo, café. No meu caso (não tomo café), é o açúcar. São aquelas coisas às quais a gente recorre quando a gente sente que precisa fazer muitas coisas e não vai dar conta e precisa se forçar a ficar acordada e focada e ativa. No entanto, tem coisas que dão mesmo energia, e descobrir quais funcionam para você e como usá-las da melhor forma faz uma diferença enorme. Eu, por exemplo, tenho mais energia quando faço algum tipo de exercício físico: quando preciso esvaziar a cabeça, vou correr na esteira, mas às vezes um vídeo de três minutos do Blogilates já faz uma diferença enorme no meu dia. Se você não for fã de exercício, eu já fiz um guia de como se movimentar um pouco no dia a dia que pode ajudar. Além do exercício, tem comidas que me fazem bem e me dão energia mesmo, diferente do açúcar que me dá ânimo por uma hora e depois uma vontade enorme de tirar um cochilo. Passear na rua um pouco (especialmente durante o dia, ainda com sol) é outra coisa que recarrega minhas energias rapidinho.

Ufa. Escrevi este texto numa noite de quinta, depois de trabalhar bastante, e cansei. Seguirei então meu próprio conselho: vou tomar uma sopa quentinha, ler um livro tranquilo e recarregar minhas energias para outro dia de muitos projetos amanhã. Que tal você fazer o mesmo?

Compartilhe:

sotersofia@gmail.com'

Sobre Sofia

Sofia tem 25 anos, mora no Rio de Janeiro e se formou em Relações Internacionais. É escritora, revisora, tradutora e editora, construindo passo a passo seu próprio império editorial megalomaníaco. Está convencida de que é uma princesa, se inspira mais do que devia em Gossip Girl, e tem dificuldade para diferenciar ficção e realidade. Tem igual aversão a segredos, frustração, injustiça e injeções. É 50% Lufa-Lufa e 50% Sonserina.