Cansei de ser parva.


 

– Não fossem os agrados constantes que ele me faz talvez estivesse menos desconfiada, amiga.

– Outras reclamariam do contrário.

– Outras são menos espertas.

Laura riu ao seu lado, afogando o cinismo com um gole de café. Fazia bem aquele cinismo. Era confortável. A cada risinho daqueles os problemas pareciam menos seus, e mais de um outro alguém – como deveria ser. Anna prosseguiu:

– Sabes que não é necessária muita esperteza para notar a ligação entre a viagem para a Europa e o colar que ganhei ontem. Não sou a primeira a ser casada com um cigano oblíquo e dissimulado.

– Minha Bentinha, teu marido é homem grave. Estudos são estudos. Ele sabe que a Universidade não é lugar de vadiagem, e o pai dele mais ainda. Garanto que teu sogro vai vigiar todos os passos do pobre Guilherme. Ele está investindo em um sucessor ao governo, afinal, não em um boêmio.

– Mandasse à Berlin então. Ou Londres.

– Ah, não diga que os estudos são em

– Oui, ma chère.

Laura tomou mais um gole de café. Sem risinho.

– Santo Deus, serei parva em manter inocentes esperanças em meu casamento, Laurinha?

– Parvos somos todos, mas felizes somos poucos, amor. A chave para o paraíso é abraçar a inocência e acreditar.

– Se dizes…

O silêncio recaiu sobre as moças. As preocupações de Anna foram embaladas pelo burburinho da cafeteria e confortadas pelo olhar amigo e piedoso de Laura.

Parvos somos todos. Felizes somos poucos.

Ferindo a contemplação, uma voz rasgou:

– Anna!

As moças se dirigiram ao balcão.

Anna pegou o copo de isopor com seu nome escrito em canetinha, e sorveu uma dose generosa de Hot Mocha.

– Aguado novamente. Por Deus, na próxima vamos ao Califórnia.

Laura sorriu, e elas prosseguiram o rendez-vous no shopping, leves e flutuantes. Mas sob a despreocupação tranquila e superior Anna questionava.

Questionava se seria parva por acreditar em dias diferentes. Mas estava cansada disso.

Compartilhe:

Sobre Renan Bittencourt

Aos 23 anos Renan já quis ser tenista profissional, monge cantor, e ditador prafrentex - mas decidiu escrever. Roteirista formado em Cinema, psicografa os futuros que não couberam na realidade. É aquariano, carioca, livreiro, vítima constante de crises imaginárias, e confeiteiro amador. Amante secreto de polêmicas, sua frase preferida é "Eu concordo com você, mas...".