Às 17h30


Texto: Eduarda Vaz // Ilustração: Elisa Gergull

meu corpo meu desejo
minhas curvas minha consistência
minhas linhas e meus átomos
são realidade

eu não preciso fugir
da realidade
eu preciso mergulhar
na minha própria realidade

por um momento
atento
inteiro
entregue a mim

e aquela outra
que tenta me retirar
o posto de realidade
tanto faz

tanto faz
trânsito, supermercado
{quero o trabalho pra já}
prova, conta, asfalto
{corre, está atrasado}
sacolas, metrô
sinal aberto, sinal fechado

eu aperto o verde
abro a porta
e me convido para um chá

Compartilhe:

Sobre Eduarda Vaz

Eduarda costuma falar muito e, às vezes, acaba se perdendo na metade do assunto. Para se reencontrar, escreve. Hoje estuda Letras: Português/Espanhol na UFRJ e lançou um livro chamado Aresta (Macabéa Edições, 2017)