A maior ilusionista de todos os tempos


Texto: Odhara C. // Arte: Gabriela Amorim

A um tempo atrás, eu li que a primeira mentira que a depressão nos contava era a de que nós não tínhamos depressão.

Talvez você tenha chegado a se questionar se tinha mesmo esse diagnóstico. Afinal, se você ainda consegue levantar da cama, se ainda consegue ser funcional, não é possível que seu problema seja tão grave assim.

Mas a saturação das cores à sua volta não te parece normal — como se um filtro cinza estivesse cobrindo os seus óculos, mesmo quando está sem eles. Você não fica mais tão feliz assim de ver seus amigos de infância e não consegue se concentrar no seu filme favorito. O trabalho se acumula em pilhas em cima da escrivaninha, assim com os livros não lidos no criado-mudo. E você não consegue enfrentar nenhuma das duas montanhas. Você só não tem mais força pra lidar com tudo isso e passa os fins de semana olhando para o teto e fazendo montes de nada. Quando conversa, não encontra nada interessante pra dizer. E só consegue pensar nesse desespero levinho que parece ter encontrado o seu lar no fundo da sua garganta.

A depressão quer passar despercebida. Se você finalmente admitir que ela se instalou no seu peito (e no seu cérebro. Nunca esqueça do seu cérebro), pode acabar pedindo ajuda, que é o primeiro passo pra entregar à invasora uma ação de despejo. E, como ninguém quer ficar sem teto, ela vai fazer tudo o que puder para você não descobrir que ela chegou.

Essa primeira mentira que a depressão te conta é a linha de defesa dela. Ela vai te dizer que quem tem depressão, mesmo, é a melhor amiga da prima da sua vizinha — ela tomou uma overdose de remédios. Também tem a garota da sua antiga escola que cortou os pulsos. Tem gente que não consegue mesmo sair da cama. Nem mesmo estender a mão para alcançar o telefone. Essa pessoas têm depressão. Você não. Pensar em suicídio é só pensar e tentar, bom, tentar não é conseguir. E talvez isso tudo só seja parte da sua personalidade. Você não tem depressão, fica tranquila.

Ah, e existem os aliados da depressão. Pessoas bem intencionadas, algumas vezes. Elas dizem que já passaram exatamente pela mesma coisa (será mesmo?) e que conseguiram superar com uma dieta equilibrada, exercícios e meditação, por exemplo. Ou então, listam todos os motivos pelos quais você não devia ter depressão: você não tá passando fome e não tem uma doença terminal. É claro, elas também podem reconhecer que, sim, você tem alguns probleminhas. Mas todo mundo tem problemas e isso não é motivo pra se sentir assim, tão derrotado pela vida.

Acreditar na depressão quando ela diz que não existe depressão nenhuma, pra mim, é a mentira mais perigosa que ela vai te contar. Porque, quando você acredita nisso e você não luta contra ela, a maldita vai estar livre pra se espreguiçar dentro de você — e bater os braços e as pernas em tudo o que te mantém em pé.

 

(Uma pausa para eu te contar uma coisinha: existem vários tipos de depressão, em vários graus. Se você acha que alguma coisa está errado com você é bem provável que alguma coisa esteja errada. Então, procure ajuda. Procure um profissional, nem se for pra perguntar “você acha que isso que eu tô sentindo é coisa da vida e vai passar”? E converse com pessoas que você sabe que têm sensibilidade pra lidar com esse assunto e te aconselhar. Acredita em mim, não é todo mundo que tem)

 

Talvez a depressão tenha conseguido te enganar sobre a presença dela ou não — ela vai continuar mentindo pra você de qualquer jeito. E parte do diagnóstico da depressão, pelo menos pra mim, é: ela vai mentir e você vai acreditar. Ela vai te fazer enxergar o mundo (e você mesma) de outra forma. Uma forma negativa e totalmente errada. Por isso que eu acredito que a depressão é a maior ilusionista de todos os tempos.

A depressão vai te dizer que você não consegue. E ela vai garantir que você não consiga: vai chupar toda a sua força com um canudinho de milkshake. Ela vai deformar o seu espelho, transformá-lo num daqueles de parques de diversão, sabe? Em que o que você está vendo refletido nele obviamente não é verdade? Pois é. Mas você vai acreditar no dito espelho com a mesma convicção que sabe que dois mais dois são igual a quatro.

Ah, ela também vai te fazer acreditar que está sozinho — que ninguém vai ficar do seu lado, ainda mais agora, quando você finalmente percebeu quem é de verdade: uma pessoa bem da miserável, sem nada a oferecer a ninguém, só uma pilhazinha de defeitos. Que desperdício de recursos naturais que você é, meu Deus.

E se qualquer um te disser o quão enganada você está, que nada disso é verdade, você não vai acreditar. A depressão te faz perder a confiança nas pessoas. Pode ser até que a sua mãe te ache linda e boa, mas ela te vê da forma errada. Você sabe como é (alguém ruim), sabe como o mundo é (um lugar cinza) e sabe a força que você tem pra enfrentar isso (nenhuma).

É, a depressão vai fazer de tudo pra te enganar. E te dizer pra não acreditar nela não vai surtir efeito.

Então, eu te peço, por favor, que pelo menos desconfie.

Procure ajuda.

Compartilhe:

rodrigues.odhara@gmail.com'

Sobre Odhara C.

Drama queen um tanto sincera demais. Dog person. Gosta de dar conselhos e de fazer filosofias de boteco.
Ela escreve no blog Meu Coração É Um Nervo Exposto (http://umnervoexposto.wordpress.com) e dá o ar de sua graça uma vez por semana em caixas de entrada alheias com uma newsletter (http://tinyletter.com/umnervoexposto).